Capitulo VII: Meu primeiro dia de campista. Uma pessoa inesperada entra em minha vida

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010 0 comentários
Capitulo VII: Meu primeiro dia de campista. Uma pessoa inesperada entra em minha vida.
Abri meus olhos...
Eu estava com uma luz florescente em meus olhos, que me cegou. Alguém desligou a luz, mas permaneci sem conseguir ver nada, até que meus olhos aos poucos foram se acostumando...
Tudo estava claro agora, e então acederam a luz florescente, e fiquei cega novamente, então apagaram a luz, e ficaram nesse joguinho... Fechei meus olhos com força e abri, quando abri, vi a cara do Sr. C na minha frente com um sorriso engraçado.
- Sr. C, era o senhor que estava ligando e desligando essa luz?
Fui me levantando da cama, com cuidado para não bater minha cabeça na luz, mas depois fui me da conta que não tinha luz alguma, só a que iluminava toda a sala, o senhor C. tava com uma expressão meio engraçada e começou a rir.
- Minha querida! Não sabia que o midnight era tão poderoso! A luz é apenas a da sala, e não uma luz florescente.
- Eu estava com o midnight? – perguntei assustada.
- Ele apontou para um soro e falou:
- Esse soro é estimulante para mostrar poderes, todos os poderes que você já ativou até agora entram em ação, e já que você já usou o midnight...
- Então é assim que vocês sabem qual são os pais dos meios-sangues daqui? – perguntei
- Não, tenho só um recipiente com esse soro, quem me deu só conseguiu fazer esse...
- Quem foi? – o interrompi.
- Uma garota chamada Ino, Ino-chan.
- Ela é japonesa?
- É. Ela apareceu um pouco depois de você desaparecer, ela nunca para aqui no acampamento, sempre esta em missões... Assim como o Lucky e o Sasukan ela sempre é bem sucedida nas missões, por isso que nunca está conosco, sempre está no grupo que está nas missões... assim como o Sasukan e o Lucky – ele me explicou.
- Mas por que o Sasukan e o Lucky estão aqui? – quis saber.
- No dia que eles acharam você, eles estavam voltando de uma missão, só eles dois, pois a Ino estava em outra missão e o Yoki tinha trago o primeiro grupo de meios-sangues. Eles não saíram mais em missões para ficar com você, ensinando você, cuidando de você... Mas convite é o que não falta para eles.
- E o Yoki?
- Aquele... Ele é mais preguiçoso que , desculpe, o Sr. D. Ele só sai em missões quando é caso de vida ou morte, ou quando o Sasukan o obriga.
- Sr. C...
- Quando tivermos a sós, me chame só de Caos.
- Tudo bem, Caos, qual o verdadeiro nome do Lucky? – perguntei
- Lucky – ele respondeu imediatamente.
- Mas a garota... Ela o chamou de Apolo Junior...
- Bem, a história do Lucky é complicada, o nome dele verdadeiro é Apolo Junior mesmo, mas chamamo-lo de Lucky, pois o apelidaram disso. A Sakura era a melhor amiga dele, ela estava no grupo dos três, que hoje a Ino-chan ocupa o lugar, antes, nas missões, só quem iam juntos eram os irmãos Nakamura, mas depois a Sakura sempre colocava o, no caso, Apolo Junior. Ela ensinou a ele a base ninja, mas quem o aperfeiçoou foi o Sasukan. Antes, os irmãos Nakamura quase nunca perdiam em alguma missão, era raro, mas quando o Apolo Junior entrou no grupo deles, eles nunca mais perderam, por isso a Sakura colocou o apelido dele de Lucky, que significa sorte. O Lucky nunca perdeu uma batalha, suas estratégias são dignas de Athena, até a Annabeth o admira, ele é o melhor espada-chin, o melhor capitão.
- Ele parece ser bem respeitado – falei.
O Caos começou a rir e disse entre risos:
- Uns o admiram, outros os respeitam, e outros o querem, no caso da ultima opção, é outras.
Não sei por que, mas fiquei com raiva do que ele tinha falado. Desci da cama, e foi ai que percebi onde eu estava, eu estava em um laboratório super moderno, e o que parecia, eu que era a pesquisa.
- Sim, e ai Caos? O que descobriste de mim?
Ele ainda estava rindo, mas ficou serio e falou:
- Não sei ainda, quem ver isso é as filhas de Athena juntamente com a Ino-chan. Só da para perceber uma coisa...
- O que?
- Que seu sangue tem uma variação incrível, ele tem três cores, e as vezes duas.
- Que cor?
Ele pegou um frasco que tinha coletado meu sangue e me mostrou, era dourada, prata e vermelho, igual ao meu sonho... Então aquilo não era veneno?
- Meu sangue é assim por que?
- É isso que veremos. Mas por enquanto, você tem atividades no acampamento, seu primeiro dia de campista começa hoje.
- Eu dormi por quanto tempo?
- Uma semana, e é bom você se apressar para recuperar o tempo perdido – Então Sask abre a porta e entra na sala carregando uma armadura e a Thalia vinha logo atrás dele com uma bolsa.
- Hey, Ilana. Precisas de roupa?
Ela jogou a bolsa para mim, peguei e abri a bolsa, tinha roupas, muitas roupas e sapatos, mas a bolsa era leve, como se estivesse vazia, magia...
- Valeu, Thalia.
Ela deu um sorriso debochado e sorriu para o Sr. C, que piscou para ela e disse:
- Vou fingir que não se o que você mandou o Nico fazer...
- Bem, a Ilana precisava de roupas decentes, e eu também, Nico queria treinar para ver se a viagem nas sombras dele o estava consumindo menos, então fui com ele para ver até onde ele agüentava... – ela começou a rir – e ele está bem melhor!
- Bem... Vamos andando – Sask saiu na frente pelo corredor. E eu e Thalia o seguimos.
~*~
Minha primeira atividade do dia era escalada, e como eu achava que tinha visto, TINHA LARVA SIM! E por cima, ainda ficava tremendo!
Nessa aula, quem me ensinava era um garoto chamado Natan, ele era filho de Ares. Ele foi primeiro e eu vi como ele fazia, como ela desviava-se da larva, como ele se movimentava com agilidade na parede de escalada. Bem... Eu queria poder dizer que fui bem, foi ótimo, eu me sai bem. Mas não... FOI HORRIVEL!
Eu consegui chegar ao topo depois de duas quedas (que Natan me segurou antes de eu tocar no chão, como se eu não pesasse nada), e cheguei no topo toda arranhada e com a roupa chamuscada, eu estava sendo o centro das atenções... Ótimo! O Natan estava em tempo de cair no chão de tanto rir quando eu desci toda arranhada da parede de pedra, mas até que a experiência em si, foi legal, e o Natan, apesar de ser filho de Ares, ele era um irritante legal.
Depois da escalada, eu tinha aula para andar em pégasos com uma filha de Afrodite, ela se chamava Ianny, era bem simpática... Tinha dois pégasos lá, mas todos os dois tinham donos, um era todo branco e se chamava Dobby (de acordo com a menina) e o outro BlackJack, que era todo preto e pertencia ao Percy, já o Dobby pertencia ao Lucky. Os outros dois que tinha lá, já estavam ocupados.
Ela ia falar com o Percy para ver se ela podia tomar emprestado o BlackJack, mas Lucky apareceu porque ele ia dar banho no Dobby, e quando viu que eu tinha aula e tava sem pégasos, ele me emprestou o dele. Ele disse que mais tarde dava banho nele, mas que eu ia ajudá-lo, tive que aceitar... Fazer o que?
Dobby no inicio não gostou, mas depois ele se comportou e eu tive minha aula, mas eu não precisava aprender isso, era como se eu já soubesse, e pelo visto o Dobby gostou de mim.
Era mais ou menos nove horas da manhã quando minha aula de pégasos acabou, e eu tinha descoberto que eu era boa pelo menos naquilo. O Lucky disse que ao por do sol o encontrasse onde eu tive a aula porque íamos dar banho no Dobby.
Então segui para minha próxima aula, era aula de arco-e-flecha, um garoto chamado Will era meu professor, ele era filho de Apolo. Logo no inicio ele percebeu que eu era boa em arco-e-flecha e marcou uma aula à noite de arco-e-flecha com fogo quando eu melhorasse um pouco mais, o desafio era legal, e me senti orgulhosa, pois na minha aula eu tentei dez vezes no alvo, e acertei quarto. Não é muito, mas para a primeira aula era bom, de acordo com o Will.
Minha próxima aula era ao meio-dia, e era com facas. Quem me ensinava era a Annabeth, ela não só ensinava a mim, mas a algumas irmãs dela. Ela falava a utilidade de uma faca em uma batalha, dizia que as facas são os melhores equipamentos para uma luta, ela podia ser guardada em vários lugares sem que percebessem a existência dela, varias outras coisas... Depois ela foi chamando de uma em uma (no total de oito garotas) para uma luta de brincadeira, para poder mostrar o que ela havia falado. A faca é bem prática em lutas, podemos sacá-la rápido para nos defender. De todos as aulas, essa foi a que eu mais aprendi, talvez por ser uma filha de Athena que estava ensinando...
Teve uma pausa para o almoço, e dessa vez eu ofereci a Caos, que deve ter percebido, pois sorriu para mim. Tentei pensar em qual deus o Yoki e Sask oferecia, mas fiquei com vergonha de perguntar. Logo depois do almoço, eu tinha aula de canoagem com o Percy.
Na aula de canoagem foi engraçado, pois aprendi que não sou nada boa com barcos e que não preciso deles... JÁ QUE O YOKI ME ENSINOU A ANDAR SOBRE A ÁGUA! É fácil, mas o Percy não conseguiu, isso fez todo mundo malhar dele, inclusive o Nico. O Nico apareceu para ver quem estava correndo sobre a água, ele tirou uma conclusão que eu tenho descendente ninja, pois eles, filhos dos deuses e um filho do deus do mar não conseguem andar sobre a água e eu consegui.
Eu já estava esgotada, cansada, só pensava em cama, mas faltava a ultima aula, esgrima... Meu professor era o Lucky, o que me fez lembrar que ainda tinha que dar banho no Dobby...
Só tenho uma coisa a declarar... EU ARRASEI!
A aula de esgrima tinha vinte pessoas na arquibancada, o Lucky lutaria com um de cada vez... A primeira foi Clarisse, e ela foi a que mais durou, (de meio-sangue puro) os que mais duraram foram o Yoki e o Sask. Na vez deles, foi acirrado. O Yoki tem uma velocidade imensa de desviar o ataque, já o Sask tem uma velocidade imensa de ataque, a luta deles não terminaram, pois estava demorando muito, e eu fui a ultima. Eu acho que Lucky pegou leve comigo, mas o Sask disse que no inicio sim, mas depois não.
Eu não sei o que acontecia, eu apenas via o que ele ia fazer antes de ele fazer, sem usar o midnight, e depois o atacava. Eu me defendia mais que atacava, por isso demorou muito. Mas bem... no final eu perdi, mas era porque eu já estava exausta, não que eu ache que eu teria ganhado... Talvez, só apenas TALVEZ eu ache isso...
Lucky não iria dar banho no Dobby porque também estava cansado, então fui correndo para a casa tomar banho. Hoje a noite era livre, mas o Sask e o Yoki ia para a praia, então para mim não ficar só, eu ia acompanhá-los.
A praia estava deserta, a maioria das pessoas estava dormindo, alguns casais estavam caminhando beira mar, mas estavam distante. Eu não sabia para que íamos para praia, mas quando chegamos na praia eu soube... Íamos treinar no estilo ninja. Sask disse que a noite era o melhor momento para treinarmos.
- Ilana, você sabe o que é a força bruta interna? – Perguntou Sask para mim.
- Sim, foi o que eu usei para combater a garota.
- É... Tente utilizar sua força bruta interna, só que não no fogo, tente usá-la na água, entre na água e tente fazer um redemoinho entorno de si mesma.
- Sask, deixe-me ir primeiro. – falou Yoki.
Então ele fez um redemoinho em trono de si mesmo, e quando ele parou, seus olhos estavam todos brancos e com veias entorno dos olhos. Eu sabia o que era isso, era como meu poder, só que o dele era branco e o meu era preto.
- Sask, sua vez.
Sask fechou os olhos, e quando abriu estavam vermelhos com um desenho no meio do olho de preto, era mais assustador que o de Yoki, quando ele entrou na água, também apareceu veias entorno de seus olhos e ele fez um redemoinho maior que o de Yoki, então ele parou e disse:
- Viu como se faz, Ilana? É só entrar na água e usar seu elemento para fazer o redemoinho.
- Então o elemento do Yoki é o vento e o seu é a água?
- Correto, sua vez.
Entrei na água, fechei meus olhos e pensei na floresta a noite e quando abri meus olhos, consegui ver toda a circulação de força bruta interna e externa, a circulação de sangue do Sask e do Yoki.
Abri meus braços e comecei a girar entorno de mim mesma, a água foi fazendo um redemoinho, e tentei libertar o elemento que eu tinha usado na primeira vez, o fogo. Fechei meus olhos e concentrei para poder libertá-lo de dentro de mim, quando abri meus olhos novamente, eu estava parada com um redemoinho entorno de mim, mas ele continha fogo, era água e fogo, então parei.
Sask e Yoki estavam sorrindo para mim quando parei, Yoki disse:
- O próximo passo é você fazer uma copia de si mesma, é só você fazer esse símbolo e pensar em japonês ‘copia’, mas tente imaginá-la perfeitamente.
- Tem algum problema se eu pensar em grego? Tudo que eu fiz até agora, eu penso em grego.
- Então sua língua de origem é o grego – falou Sask.
Fechei meus olhos, me imaginei detalhadamente e falei ‘copia’ em grego antigo e fiz o sinal que o Yoki tinha me mostrado, e quando abri meus olhos, tinha uma copia minha ao meu lado. Bem, digo que essa experiência foi assustadora, mas também foi engraçada, era legal ter mais uma Ilana, então fechei os olhos e pensei em um exercito de mim, então quando eu abri os olhos... Tinha bem umas trinta Ilanas.
Eu, Sask e Yoki começamos a rir e eu perguntei:
- Como faz para as Ilanas sumirem?
- É só você desfazer, mas não desfaz, deixa-me lutar contra suas copias, agora lute mesmo. – falou Yoki e então avançou.
Era como um jogo, me misturei entre as minhas copias que estavam lutando e comecei a lutar, até Sask entrou no jogo, eles faziam símbolos com as mãos do fogo, tigre e mais um bocado, então deixavam fluir a força bruta interna deles em minhas copias, vi que estava perdendo então comecei a usar meus poderes também... De nada adiantou, só restou eu de verdade, Sask e Yoki, então ativei o midnight e eles seus poderes, agora estava valendo tudo, era um treinamento de poder, para ver seu potencial.
O Sask era muito rápido, eu só via seu vulto, mesmo estando com o midnight, então fui flexionando mais e mais o midnight, até que conseguia ver seus movimentos em câmera lenta, conseguia ver o que ele pensavam em fazer e já agia, coloquei tudo que eu tinha aprendido hoje em pratica, como andar sobre as águas colocando sua força interna nos pés, me defendendo com faca e flexionando minha força interna em minhas mãos, aos poucos me sentia cansada, e eles também, então paramos com o treinamento por hoje e voltamos correndo na velocidade da luz para casa, não levou nem dez segundos para chegarmos lá...
~*~
Quando chegamos no nosso chalé, nós não estávamos com nossos poderes extras, mas vimos uma sombra na varanda, nos aproximamos lentamente e sem fazer barulho e vimos a forma de uma garota agachava na proteção da varanda olhando diretamente para mim. Minha primeira reação foi ficar em posição defensiva e ativar o midnight. Quando ativei o midnight, vi a garota, ela tinha um cabelo imenso, era super liso, parecia seda, estava preso em um rabo de cavalo, e era preto. Ela tinha olhos puxados pretos e era branca como a neve, vestia uma roupa despojada que não tinha um estilo concreto, um punk misturado com rosa e rasgado, ela era esquisita. Ela pulou da varanda e aterrissou em frente a mim, ela era pequenina, parecia uma bonequinha, então ela falou:
- Olá, Ilana. Eu me chamo Uchiha Ino Puertillo, conhecida como Ino-chan. Olá Sask e Yoki – então ela se jogou nos braços do Yoki, que a abraçou no ar.
- Ouvi falar de você, você é quem vai decifrar meu tipo sanguíneo. – falei
Ela se afastou de Yoki e disse:
- Ah, já sei quem você é, já sei da sua vida, tenho muita coisa para lhe esclarecer, e tenho todo tempo do mundo para tirar suas duvidas.
- Serio? – perguntou Sask, Yoki e eu ao mesmo tempo.
- Sim! – ela respondeu como quem não quer nada. – Afinal, faço parte da sua vida, Uchiha Ilana Puertillo...
- Como é? – Perguntei assustada
- É isso ai... Somos irmãs!

0 comentários:

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Cabeças de Alga MS | TNB