The son of Neptune -

quinta-feira, 16 de junho de 2011 2 comentários
Hi semideuses, cá estou eu de novo, creio que todos que leram The Lost Hero ficaram apreensivos querendo que o Percy voltasse e esperando ansiosamente para qualquer trecho de The Son Of Neptune. ~assim como eu~ essa tradução não é minha, e ninguem aqui quer violar os direitos autorais blablabla ... Foi postado originalmente no MortalNet e traduzido pelo percyjacksonbr. Espero que sirva pra tranquilizar alguns coraçõezinhos ou acelera-los ainda mais (Preciso admitir que quase tive um infarte, eu só preciso do livro inteiro! preciso do Percy de volta!)

“Esse trecho de The Son of Neptune foi lido por um narrador profissional durante a aparição de Rick Riordan em Nova York, dia 25 de maio de 2011 (MortalNet)”

2º Cap. - Percy.

Parte dele queria ir em direção ao oeste para o oceano; que é onde ele estaria mais seguro. É lá que seu poder seria maior. No entanto, aqueles guardas romanos na porta o incomodavam. Algo dentro dele disse: “Este não é o meu território. Isso é perigoso.”

“Você está certo, é claro”, disse uma voz ao lado dele. Ele pulou. A princípio pensou, Stheno conseguiu novamente se aproximar dele. Só que a velhinha sentada nos arbustos era ainda mais repulsiva que uma górgona. Ela parecia uma hippie que foi despejada a margem da estrada há 40 anos, onde desde então, ela vinha recolhendo lixo e panos. Ela usava um vestido feito de tye-dye, mantas rasgadas e sacos plásticos. Seu tufo de cabelos crespos era marrom acinzentado como a espuma do refrigerante Root Beer, amarrados para trás com uma headband com o sinal da paz. Grama e verrugas cobriam o seu rosto. Quando ela sorriu, ela mostrou exatamente 3 dentes. “Isso não é um túnel de manutenção”, desabafou. “É a entrada para o acampamento!”
Uma energia súbita subiu pela coluna de Percy. Acampamento… sim! É dali que ele era! Talvez esta fora a sua casa. Talvez Annabeth estivesse certa. Talvez ela estivesse por perto. Porém algo parecia… errado. As górgonas ainda  estavam no telhado do prédio de apartamentos. Então Stheno gritou de alegria e apontou na direção de Percy. A senhora hippie velha ergueu as sobrancelhas. “Criança, você não tem muito tempo. Você precisa fazer sua escolha.”
“Quem é você?” Percy perguntou, embora ele não tinha certeza se queria saber. A última coisa que precisávamos era de outro mortal inofensivo que acabou se revelando um monstro.
“Oh, você pode me chamar de Juno.” Os olhos da senhora brilharam como se ela tivesse feito uma piada excelente. “É de Junho, não é? Eles chamaram o mês assim por minha causa.”
“Uh, tudo bem. Olha, eu tenho que ir. Duas górgonas estão chegando e eu não quero que elas te machuquem.” Juno juntou as mãos sobre o coração dela . “Oh, quão doce. Mas isso faz parte da sua escolha. ” Percy olhou nervosamente para o morro.
As górgonas tiraram o colete verde. Asas brotaram de suas costas, asas pequenas que brilhavam como bronze. Desde quando elas tinham asas? Talvez elas fossem só enfeites, talvez elas eram muito pequenas para conseguir levantar uma górgona no ar.
Então, as duas irmãs pularam do prédio e planaram em direção a ele. Ótimo, que ótimo. “Sim”, em Juno, disse, como se ela não tivesse pressa. “Você pode me deixar aqui, à mercê das górgonas e fugir para o oceano. Você pode fazer isso em segurança, eu garanto. As górgonas vão ser muito felizes em me atacar e deixar você ir. No mar, nenhum monstro vai incomodá-lo. Você estará seguro no fundo do mar. Você pode começar uma nova vida, viver muitos anos, e escapar de uma grande dose de dor e sofrimento que está prevista para seu futuro.”  Percy tinha certeza que ele não ia gostar da segunda opção. “ou?”
“Ou você pode fazer um grande favor para uma velha senhora. Leve-me para o acampamento com você.” “….Levar você?” Percy esperava que ela estivesse brincando. Então Juno engatou a saia, mostrando-lhe o pé inchado roxo.
“Eu não posso chegar lá sozinha”, disse ela. “Leve-me para o acampamento do outro lado da estrada, através do túnel, e através do rio”. Percy não sabia a qual rio ela se referia, mas não parecia fácil. Juno parecia ser muito pesada.
As górgonas estavam a apenas 50 metros de distância agora, vagarosamente deslizando em direção a ele, como se soubessem que a caçada estava praticamente no fim. “E eu deveria levar você para este acampamento, porque? …” “Porque é uma gentileza!” disse ela. “E se você não fizer isso, os deuses vão morrer, o mundo como nós o conhecemos perecerão, e todos de sua antiga vida serão destruídas. Claro que você não se lembra de tudo isso, então suponho que isso não importe. Você estará seguro no fundo do mar.” Percy engolido. As górgonas soltaram um grito misturado a uma risada enquanto disparavam para matar.
“Se eu for para o acampamento, vou conseguir a minha memória de volta?” “Eventualmente,” disse junho. “Mas atenção, você vai sacrificar muito, você perderá a marca de Aquiles, e você vai sentir dor, sofrimento e as perdas serão além de qualquer coisa que você já conheceu. Mas você pode ter uma chance de salvar seus velhos amigos e recuperar sua antiga vida.” As górgonas sobrevoando a cabeça deles, provavelmente estudando a velha, imaginando quem o novo jogador pode ser antes de atacar. “E os guardas na porta?” Percy perguntou. Juno sorriu. “Ah, eles vão deixar você entrar, querido. Você pode confiar naqueles dois. Então, o que você me diz? Você pode ajudar uma velha mulher indefesa?” Percy duvidava de Juno fosse indefesa. Na pior das hipóteses esta era uma armadilha. Na melhor das hipóteses esta situação foi uma espécie de teste. Percy odiava testes! Desde que perdeu sua memória, sua vida foi um grande “preencha o vazio”. Ele estava mais que vazio, se sentia como um vazio, e se os monstros o pegassem, ele viraria um vazio. Então ele pensou em Annabeth: a única parte de sua antiga vida que ele tinha certeza sobre. Ele tinha que encontrá-la.
“Eu vou levar você”. Percy pegou a velha senhora. Ela era mais leve do que ele esperava. Percy tentou ignorar seu hálito azedo e as mãos calejadas que agarraram seu pescoço. Ele conseguiu atravessar a primeira faixa de tráfego. O motorista buzinou, outro gritou algo que foi perdido no vento. A maioria apenas desviou e olhou irritado, como se tivessem que lidar com um monte de crianças malcriadas carregando mulheres velhas e hippies ao longo de toda a estrada.

2 comentários:

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Cabeças de Alga MS | TNB