Forever Me Capitulo XII: Meu outro poder.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011 0 comentários

*Nota: Oyasumi = Boa noite em japonês

Capitulo XII: Meu outro poder.
A floresta estava silenciosa, mas alguns minutos depois que entramos, escutávamos gritos e xingamentos... Acho que a batalha já tinha começado.
Ficamos correndo na floresta, marcando as bases e ouvindo como estava a situação. Annabeth falara que o grupo da Clarisse já tinha começado a lutar e que até agora estava tudo sobre controle.
- Olha lá! – Apontou a Julia para uma árvore qualquer.
- O que? – Perguntou uma garota.
Eu estava olhando para a floresta tentando ver as sombras com o midnight, mas olhei para onde a Julia tinha apontado, e lá estava, uma bolsa.
- Como viste a bolsa, Julia? – Perguntei
- Consegue ver? – Ela perguntou para mim.
- Sim e você?
- Não... Não conseguia ver a bolsa, só consegui distinguir as sombras, e já que você tinha falado que eles a envolveriam com sombra...
As meninas avançaram para pegar a bolsa, mas vi algo no chão, como uma linha.
- PAREM! – gritei para elas
- Como é? – responderam
- Tem uma armadilha... Não dêem mais nem um passo. – fui lá, saltei e peguei a bolsa e voltei – prontinho.
- Sinistro... – umas garotas sussurraram, mas como tava com o midnight, eu ouvi perfeitamente.
Obviamente elas estavam meio assustadas, claro, quem não fica? Você olhar para uma garota que ao invés de olhos, estava com fogo, ainda por cima preto, no lugar dos seus olhos?
Parecia que a Julia sabia o que eu estava pensando e falou:
- Seu poder é bem assustador não? – ela não falara com insulto nem com medo, falou timidamente apenas tentando puxar papo.
- Está assustada? – foi só o que consegui perguntar.
- Não... Eu vivia no mundo inferior, meu pai é o deus da Morte, treinava com fantasmas e fúrias, acha o que? Não me assusto fácil – ela falou com um meio sorriso em seu rosto, e eu sorri.
- É... Eu me assustei agora – e comecei a rir, ela me acompanhou.
- Ilana, tem uma batalha logo ali, o que fazemos? – uma garota que estava indo na frente perguntou.
- Saiam daqui, tentem ir para perto, SEM SER PERCEBIDAS, do Punho de Zeus, desviem das batalhas, eu vou ficar aqui e lutar, entenderam?
- Mas nosso grupo não é o que... – Ia falando a Gi B.
- Shiiiu. É sim, mas é o SEGUNDO quando o grupo cinco não tiver mais condições.
- Mas como vamos saber? – Perguntou a Rose
- A Annabeth fala. Rose, vem cá.
Fomos a um lugar mais reservado
- Faz um feitiço, tipo uma conexão epática entre eu e você, você vai comandar as meninas, ela estão meio assustadas com o meu poder ativado, e fica pior quando eu estou lutando, e esse grupo que estão lutando é o de Yoki, ele é muito bom em ilusões, além que já já ele vai sentir nossa presença – desativei o midnight – e ele está lutando sem o midnight dele, então significa que está muito fácil para ele esse jogo e eu odeio isso.
- Ele é bom em... Ilusões?
- Sim, Rose. Os únicos que não são afetados, são os ninjas que sabem usar também, os filhos de Morfeu e Hipnos, pois eles também usam ilusões. Faz logo esse feitiço!
- Ta bem, ta bem – ela segurou minha mão e começou a falar um bocado de palavras, eu entendia algumas, outras não, mas no final, a voz da Rose estava em minha cabeça.
“Pronto” – ela falou em minha cabeça
“Valeu maninha” – respondi – “vão para o punho de Zeus, se desviem das batalhas, tentem ser ao máximo invisíveis, e qualquer coisa pense e me relate a situação, ok?”
“Ok”
- Vamos, por aqui meninas! – Rose chamou e as meninas a seguram, menos a Julia.
- Vai lutar? – ela perguntou
- Sim, tenho que me testar – respondi
- Aquele grupo é de um ninja não é?
- Como sabe? – perguntei. Essa menina era interessante, mas mais interessante foi o que ela falou em seguida.
- Ele estava jogando ilusões no nosso grupo, as ilusões dele são complexas, quase não consegui bloqueá-las.
- Você.bloqueia..ilusões?
- Sim, é uma parte do poder da minha mãe. Ela é filha de Morfeu, e quando eu nasci, além de receber os poderes do papai, também recebi da mamãe, e ela bloqueia qualquer ilusões, só nela mesmo, mas o meu se expande.
- Que legal! Então... Pode proteger nosso grupo?
- Claro que sim. Boa sorte, Ilana.
- Obrigada, Julia. – cada vez começava a gostar mais e mais dessa garota.
Ela saiu correndo em direção as outras e eu virei para ir em direção ao Yoki, mas ele já estava encostado na árvore esperando por mim.
- Heeey, mana.
Ativei o midnight na primeira fase, como a dele (ele ainda não sabia que eu tinha chegado na fase que o meu midnight ficava como fogo)
- Vamos brincar, maninho? – ameacei-o
- Por que não? – ele deu um sorriso torto.
Ele fez um símbolo com as mãos e fez acho que umas vinte copias dele, fiz o mesmo, com um truque a mais. As copias dele avançaram, mas as minhas nem se moveram, antes de chegarem perto, todas as copias dele já tinham sumido, só tinha ele e mais uma copia dele, frente a frente
- Que merda é isso? Ilana! Hm... Belo truque, parabéns!
- Primeiro passo, observar, pensar, não é mesmo maninho?
- Não vou mais pegar leve, criancinha!
- Claro que não... – falei com um sorriso sínico no rosto.
Ele começou a fazer seus selos, eu queria muito ir para  a segunda fase do midnight para vê-los melhor, mas ainda não precisava. Enquanto ele fazia sua seqüência de símbolos, eu ia fazendo, com mágica de filha de Hécate, uma parede de proteção... Era mais como uma caixa, eu não estava lutando, estava só brincando. Já tinha avançado bem mais que o Yoki, a única coisa que ele era melhor que eu, era suas ilusões, mas em batalha... Eu já o tinha superado.
O elemento do Yoki, é o único que eu não tenho, terra. Ele já estava pegando pesado, ele ia lutar serio, eu também, mas eu sabia que eu teria mais lutas para frente, e não queria perder mais meu tempo, tinha que acabar com isso já.
Assim que ia começar a fazer minha seqüência de selos, ele bateu com muita força na terra e todo o solo que estava abaixo de mim caiu. Minhas copias ‘morreram’, mas eu não fui afetada, a parede de proteção foi útil.
- Bela defesa – ele comentou
- Valeu! – gritei lá de baixo.
Já tinha decidido, ia usar o ar. Fiz uma seqüência de selos que criei essa tarde, ele não perceberia o que eu estaria tramando. O vento começaria fraco, e depois o aprisionaria, seria fácil. O vento me ergueu, fiz uma seqüência de selos de fogo e fiz uma barreira de fogo ao redor dele, para distraí-lo e eu fazer uma copia, a mandei primeiro, mas ele fez blocos de terra e atirou nela, ela se desfez.
O vento estava lentamente ficando mais forte, e enquanto eu ainda estava no alto, erguida pelo vento, pude ver dúzias de bolsas, entrei em contato com a Annabeth pelo comunicador e com a Rose pelo pensamento e falei a localização de cada bolsa que eu vi, consegui ver um grupo de garotas indo em direção a elas. Mandei o vento me levar para o chão, e fiquei novamente em terra, o vento já estava começando a rodear o Yoki, que olhava meio admirado para mim. Assim que toquei no chão, adivinha? Yoki veio com suas ilusões.

‘Ele me prendera em um passado. Eu estava de volta a um jardim, não estava na casa  que eu sonhei, mas era um jardim lindo. Alguém havia chamado o meu nome, virei-me para ver da onde vinha a voz, era a Sakura. Ela não estava me chamando, estava conversando sobre mim com alguém. Era um homem, não sei como descrever sua aparência, só sei que era assustadora. Assim que ele virou para sair, eu o vi. Ele tinha olhos de cobras, e seus dentes, quando ele sorriu para mim, tinha presas, eu estava assustada.
- Naninha! – virei-me, era o Sask, ele deveria ter uns seis anos, eu tinha uns três. Ele viu o pânico em meus olhos e assim que eu o vi, comecei a chorar. Ele me abraçou calorosamente, e no mesmo momento, me senti segura.
A visão mudou.
Era noite, acho que muito tarde da noite, a Sakura estava arrumando as malas, e mandando Yoki apressar, ele estava triste mas a estava obedecendo, estava arrumando as malas. Uma lagrima caiu dos olhos do Yoki, e ele disse “não quero a deixar”, Sakura parou por um tempo e falou “vai ser o melhor, Yoki, a maninha tomou uma decisão, não muito certa, e agora não posso voltar atrás. Sei que você gosta dela, mas temos que deixá-la para o bem dela mesmo. Vamos, ande logo com isso!”. Estava tudo pronto, todas as malas, o quarto arrumado, exceto por um garotinho que estava dormindo tranqüilamente em uma cama, era o Sask.
“Ele vai ficar muito triste quando souber, mana” Yoki falou, “eu sei, mas vamos logo com isso, leve as malas para o carro, eu levarei ele dormindo, é melhor. Não quero que ele faça um escândalo e acorde todos do dormitório, inclusive ela”. Yoki saiu do quarto. Estava chovendo, ele colocou as malas no carro e voltou para ajudar a Sakura. Ele passou em um corredor, e parou em uma porta, quase a abriu, mas sacudiu a cabeça e foi para o seu quarto. Chegando no corredor do seu quarto, a Sakura estava gritando com um garotinho choroso, ela ia o bater, mas o Yoki se jogou na frente e o protegeu “esta louca Sakura? Que você estava pensando?”, ela respondeu com ódio “ele disse que não importava-se, que ia ficar com ela e que podíamos ir, perguntei quem ele preferia, ele falou... - Ela respirou fundo - ela. Ele disse que preferia ela. ISSO É O QUE ALGUM IRMÃO FALE?” Sask tinha parado de chorar e falou “Quero ficar, quero ficar com ela” Sakura se recompôs e falou “prometo-lhe, que volto para pegá-la, mas temos que partir hoje para o bem dela, por favor.” Ele fez que sim com a cabeça e falou “tudo bem, mas você tem que voltar para pegá-la, e eu tenho que me despedir dela”, Sakura respirou fundo e falou “esta bem, Yoki, vai com ele, já estou indo para o carro, e não demora!”. Eles foram em silencio até uma porta. Sask tinha começado a chorar silenciosamente, ele abriu lentamente a porta e foi andando de mansinho até a cama. Lá, tinha uma garotinha com três aninhos, dormindo. Ela dormia como um bebe, e continha um meio sorriso no rosto, Sask se ajoelhou ao pé da cama e começou a conversar com a garotinha que estava dormindo. Quando ele estava já saindo, ele fez um selo, e colocou a mão no pescoço da menininha, e beijou suavemente a sua testa. Assim que ele tirou a mão, tinha como uma tatuagem no local, em forma da lua crescente. Ele falou “até mais pequena” e fechou a porta do quarto, saiu de cabeça baixa chorando e entrou no carro. Assim que ele virou para ver a janela do quarto da garotinha, lá estava ela, com olhos assustados parecendo acompanhar o olhar do Sask, uma lágrima caira dos olhos de ambos, eles sofreram mais do que entendíamos, era como se cada um fosse parte um do outro...’ A ilusão perdeu o foco, era o vento... O vento o tinha rodeado e tinha cancelado a visão.
Eu estava chorando. Eu estava irada. Eu queria matar a Sakura mais que nunca. Eu não queria mais brincar. Queria de verdade saber meu limite.
- Não quero mais brincar Yoki, vamos lutar sério. – desfiz todos as magias e o coloquei no chão – Vou acabar com você com um só golpe.
- Não sou tão fraquinho quanto pareço ser, criança.
Revirei os olhos – Você que me subestima. Você irá dormir um pouco, só por enquanto que eu pego as bolsas, ta bem?
Ele estava me olhando assustado e falou:
- I...lana?
- Oyasumi, Yoki-kun – então cantei uma canção mágica que eu ouvi uma vez um dos filhos de Apolo cantando para colocar os meios-sangues na enfermaria para dormir, e misturando com MINHA mágica, como pensei, seria infalível. O peguei e o encostei na árvore.
Andei mais um pouco para onde estava ouvindo sons de batalhas, mas antes de chegar mais perto, ouvi alguém.
- Quem é?
- Nossa, já esta com ouvidos tão apurados assim? – Lucky saiu de traz de uma árvore.
Lucky... Ao vê-lo toda minha raiva sumiu. Olhar naqueles olhos de ouro...
- Vi sua luta com o Yoki, me surpreendi. Conseguiu dominar uma mágica tão complexa de filhos de Apolo? Alguns de nossos irmãos demoram muito para aprender, e você... – ele apontou para mim – faz como se fosse uma simples coisa, estou impressionado.
- Meu midnight faz isso.
- Eu sei, eu vi com o meu. – ele respondeu como se não fosse nada.
- Perai... você tem um midnight? – falei assustada.
- Bem, não é muita coisa comparada aos seus. A Sakura desenvolve-o e me deu, ela injetou em mim, e meu sangue aceitou – ele ativou o midnight dele, era dourado. Era como chamas de ouro.
- Não consigo acreditar. Não tem como você está aqui. Você é o capitão de um grupo. – minha mente estava em outra linha de raciocínio, nada impressionada com a imagem que tinha em minha frente de um Lucky com olhos de fogo de ouro.
Coloquei os dois dedos em minha testa e falei, ‘libertar’ e então o Lucky sumiu. Como eu tinha pensado... Alguém me prendendo em ilusões, de novo.
Corri e corri, e estava exausta por ter usado tanta magia. Sentia a ilusão como ondas no ar, eu não ia conseguir me proteger da ilusão por muito mais tempo, a ilusão era bem forte.
“Socorro” - Falei na mente da Rose.
 Eu sentei no chão e fiz uma parede de proteção em volta de mim com toda a magia que ainda me restava, era o suficiente. Eu protegeria minha mente, precisava achar uma saída. Não era possível que só uma mágica de colocar para dormir tinha me desgastado tanto... Preciso da Ino.
Desfiz uma manta da parede de proteção e ativei o midnight. Precisava achar a mente tão incandescente que era a dela. Mas nada, não via a mente dela. Via muitas outras, mas não a dela. Procurei a da Julia, nada também. A da Annabeth... Nada. O que estava acontecendo comigo?
Coloquei novamente os dois dedos na minha testa e falei “libertar”. Novamente, uma ilusão.
Corri o mais rápido que eu consegui sem meu midnight e me escondi, juntamente com minha presença nas sombras. Tinha pouco tempo, tinha que percorrer e achar a Ino.
Corri o mais rápido que eu conseguia a floresta inteira, vi as meninas com as bolsas. Mas ai tudo foi ficando claro, e mais claro até que eu não conseguia mais ver nada.
Minha mente me alertou que a Ino corria perigo, era com se eu estivesse a deriva. Não sabia o que fazer, e de repente, eu estava sentindo correntes elétricas dentro de mim... muito fortes, doíam.
De repente abri meus olhos.
Todos que eu conhecia estavam ao meu redor me olhando de um jeito estranho.
~*~
- Ilana? – Sask foi o primeiro a falar.
- Ilaaaaana!!!! – aham, esse foi o Natan – Achei que você morreria depois de ter feito aquil...
- CALA A BOCA, NATAN! – Thalia gritou com ele.
- O que está acontecendo? – perguntei e me levantei, olhei minhas mãos e estavam toda chamuscadas.
- Você não lembra, Ilana? – Yoki perguntou.
- Hein? De que? – o que estava acontecendo?
- Todos fora, deixe-me sozinho com a Ilana. VÃO! – falou Sr. C.

Cada um saiu lentamente, todos olhavam para traz ao saírem.

- O que está havendo Sr. C? – perguntei assustada.
- Realmente minha cara, você não lembra de nada?
- Não lembro de absolutamente nada! Da para falar o que está acontecendo?
- Sim. Vou direto ao ponto.
- Sim...?
- Acho que seu outro poder despertou. – ele falou sombriamente.
- Como assim? Que poder? – o olhar dele estava realmente me assustando.
- O da filha de titã, querida.
- O QUE? O QUE FOI QUE EU FIZ? – Eu tinha levantado em um salto.
- Relaxe queria. Você não machucou ninguém querida, pelo contrario, protegeu.
- O que? Então por que todo mundo estava me olhando daquele jeito? – ele estava me deixando confusa.
- Bem, você estava lutando com o Yoki, e você começou a controlar os elementos ar e fogo, lembra-se disso? – fiz que sim com a cabeça – Bem, era em grande parte uma ilusão do Yoki. Você sabe que ele é o melhor ilusionista. Ele tinha preso você em uma cadeia de terra e estava apenas lendo sua mente e colocando ilusões nela. Mas depois, você libertou uma metade as sua mente, a outra parte de algum modo, você descobriu o que estava acontecendo começou a lutar mesmo presa na ilusão. Depois, o Yoki tentou procurar sua mente mas você a escondia, era como se mentalmente você estivesse correndo contra a mágica dele. Depois, você se libertou da cadeia de terra do Yoki com uma força impressionante, e começou a lutar com magia antiga, você se escondia nas sombras e lançava suas magias de lá mesmo. Yoki não conseguiu lidar sozinho com você, ele chamou o Sask, eles dois tentaram trazer você de volta. Você enfraqueceu, e apareceu das sombras, mas quando eles tentaram entrar na sua mente, você fugia mentalmente da magia deles. Eles diziam que você chamou primeiro a Rose, depois você falava que queria a Ino, eles ficaram com medo, já que eles não conseguiam encontrar sua mente, eles bloquearam você de achar algumas mentes em particular. Disseram eles, que você endoideceu, chamava os nomes das meninas... Julia, Annabeth... A Thalia foi ajudá-los a controlá-la. O Nico também, ele a achava nas sombras e a Thalia tentava te dar choques. Logo o capture a bolsa foi cancelado e todos vieram ajudar. Você começou a agir estranho, era com se você se debatesse consigo mesmo. A Thalia acumulou todos os raios para acertar apenas um em você. A Ino percebeu a idéia e na hora que ela ia jogar o raio em você, a Ino se jogou entre você e o raio da Thalia, mas de algum modo, você foi rápida o bastante para perceber o que ia acontecer e você colocou a Ino atrás de você e absorveu o raio da Thalia. Depois disso você, obviamente, foi tomada de correntes elétricas e desmaiou no colo da Ino.

Eu estava pasma. Isso não tinha acontecido. Não podia ter acontecido. Em minha mente eu estava controlando, mas meu corpo estava sendo controlado? Eu fui aprisionada em minha própria mente? Como? As situações eram as que o Sr. C estava falando e em meu ponto de vista era diferente? Em meu ponto de vista eu estava sendo atacada por uma ilusão e estava fugindo, mas na verdade estavam tentando encontrar minha mente para tentar me controlar? A minha parte filha de titã tinha colocado situações diferentes aos meus olhos só para ela tomar conta de meu corpo? Então quer dizer que tem duas mentes em um só corpo? Melhor dizendo... Duas mentes em MEU corpo?

0 comentários:

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Cabeças de Alga MS | TNB