Nova fic da linda Karen

domingo, 6 de novembro de 2011 0 comentários
Quando tudo fica estranho.

Era uma manhã de um tenso inverno, caia uma nevasca intensa sobre a cidade de Nova York. Estava me arrumando para ir para a escola colocando agasalhos para me proteger do frio, quando meu amigo chegou a minha casa. O nome dele era Peter, ele usava muletas e sempre estava de gorro. Não sei o motivo das muletas, mas ele era muito lindo, tinha olhos azuis, pele branca, cabelos ondulados loiros e uma pequena cicatriz acima da sobrancelha. Ele estava com uma aparência preocupada, quando chegou entrou na cozinha e foi falar direto com minha mãe. Os dois vieram em minha direção:
- Filha – disse a mamãe – Você sair por um bom tempo com o Peter. Você vai ter que ir embora com ele por alguns dias, ou até...
- Ou até? – disse eu – ou até o que?
- Até alguns meses longe de casa – disse mamãe com lágrimas nos olhos.
- O que? Por quer? Eu não vou a lugar nenhum sem a senhora. Mãe, a senhora quer me abandonar? É isso? Eu vou para um colégio interno, eu disse eu não fiz nada... Foi sem querer. Eu tentei melhorar, mas a dislexia não deixou. Mãe? E por quer com o Peter?
- Querida – disse ela com o rosto lavado de lágrimas – eu não posso ir com você, você precisa ir com o Peter, você corre muito perigo aqui comigo, eu sei que você não fez nada, eu sei você se esforçou muito para não causar confusão, eu acredito em você, mas, por favor, entenda, você precisa ir... Vá, é uma ordem e um pedido, com muita dor lhe digo isso, eu te amo muito milha linda, você é tudo de mais importante na minha vida.
- Mamãe – me deitei no colo dela – eu te amo muito, eu não quero perder você... Não me abandona, por favor? Não faz isso comigo...
- Precisamos ir Helena – disse Peter – Faça sua mochila e ponho tudo o que for necessário.
- Venha querida, eu te ajudo. – minha mãe e eu seguimos para o meu quarto.

Pegamos minha mochila da Nike e botamos o que era necessário peguei umas mudas de roupas, botei na mochila peguei algumas besteiras para comer na viagem, peguei meu álbum de fotos e guardei na mochila, minha mãe me deu um kit de primeiros socorros ela disse que só precisaria de uma quantidade ambrosia, sei lá, assim, se fosse a dose errada poderia acabar morrendo.
- Mãe – eu disse – eu vou ver você outra vês?
- Querida – disse ela olhando dentro dos meus olhos – eu te amo muito, e espero vê-la em breve, você cresceu é uma mocinha tem treze anos, é linda. Para onde você vai, ira ter uma nova família... Ira ser feliz! Eu garanto isso a você!
- Eu não quero outra família. – eu disse chorando – eu só a minha família que é a senhora mãe. Só a senhora!
- Você precisa ir! Eu vou esperar você aqui, sempre!
- Eu só quero entender o que está acontecendo! – eu estava muito confusa.
- Você vai entender. Prometo – disse ela.
Eu a abracei, um abraço forte, nós choramos juntas. Peter abriu a porta do quarto e disse:
- Srª. Borges, a Helena Precisa ir.
Mamãe olhou para mim e disse:
- Querida, boa viagem se cuida. Eu amo muito você minha estrelinha do mar.
- Até logo mamãe. Amo-te muito.

Minha mãe nos acompanhou até a porta, onde uma van branca nos esperava, eu olhei para aquela casa que vivi durante treze anos da minha vida, fiquei pensando por quanto tempo não veria aquela casa. Peter me cutucou e disse:
- Vamos, temos que ir – ele me olhou e forcou um sorriso.
Eu o olhei, olhei para minha mãe que chorava na porta, dei um suspiro entrei na van.

0 comentários:

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Cabeças de Alga MS | TNB